27/07/2015

Mobilização popular é essencial no combate ao tráfico de pessoas

Desconhecimento ainda é responsável por baixo número de denúncias em Brasília. Semana nacional de enfrentamento ao crime foi aberta em solenidade na Rodoviária do Plano Piloto

Foto: Eduardo Silva.

Pelo menos 36 moradores de Brasília foram vítimas do tráfico de pessoas entre janeiro 2012 e junho de 2015, de acordo com a Secretaria de Justiça e Cidadania. Os dados ainda são imprecisos por se tratar de uma modalidade de crime pouco conhecida pela população, o que gera um baixo índice de denúncias. Com o objetivo de prevenir e conscientizar as pessoas desse problema, foi aberta, nesta segunda-feira (27), a Semana Nacional de Mobilização para o Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, na Rodoviária do Plano Piloto.

Na ocasião, foi lembrado o Dia Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, que ocorre em 30 de julho, e lançada a campanha internacional Coração Azul, símbolo escolhido para representar a luta. As atividades seguem até 10 de agosto, dada em que será realizada uma audiência pública sobre o tema na Câmara Legislativa. Nesta terça-feira (28), um encontro reunirá técnicos da Rede de Atenção ao Migrante, Refugiado e Tráfico de Pessoas, a partir das 8h30, na Escola de Governo do Distrito Federal. Já no sábado (1º), será a vez de uma caminhada mobilizar cidadãos pela causa no Parque da Cidade Dona Sarah Kubitscheck.

A colaboradora do governo Márcia Rollemberg, esposa do governador Rodrigo Rollemberg, participou da solenidade e se disse alarmada com o número de vítimas em todo o mundo — que chega a 20 milhões de pessoas por ano e movimenta US$ 32 bilhões. Desse valor, 85% provém da exploração sexual, segundo informações da Organização das Nações Unidas (ONU). “Essa é a terceira atividade ilegal mais lucrativa, ficando atrás apenas do tráfico de armas e de drogas. Um absurdo que temos que combater.” 

O secretário de Justiça e Cidadania, João Carlos Souto, afirmou que esse é o tipo de crime que só será resolvido por meio da mobilização social. “É uma realidade que afeta milhares de pessoas e que ainda é de difícil percepção, por isso precisamos unir forças nessa luta.” Segundo ele, a denúncia é a forma mais eficaz de combate à criminalidade. Para fazê-la, deve-se entrar em contato com as autoridades pelo Disque 100 (denúncia nacional), Disque 180 (central de atendimento à mulher) e 190 (emergência da Polícia Militar).

Mulheres
A subsecretária de Políticas para Justiça e Cidadania do Distrito Federal, Joana D’arc Melo, informou que tanto em Brasília, como em todo o mundo, o tráfico com a finalidade de exploração sexual de mulheres é o mais praticado. “As vítimas são iludidas por uma oportunidade de trabalho fora de suas cidades, ou mesmo por falsas agências de modelo, mas existe também o tráfico para trabalho escravo, de órgãos e também para a adoção ilegal.” Este mês, um homem foi preso no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek suspeito do crime de tráfico de órgãos ao tentar embarcar com um grupo de garotos, entre 11 e 16 anos, para a Bahia.

Também participaram da cerimônia de abertura a coordenadora Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas da Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça, Heloísa Greco; a defensora pública da União, Mariana Lucena de Nascimento; o diretor-executivo do escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, Rafael Franzini; e a secretária de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Marise Ribeiro Nogueira.

Fonte: Redação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MAIS NOTÍCIAS