05/03/2016

PSDB vai à Justiça contra pílulas que desmascaram governo

Causou surpresa no PMDB as alegações do diretório estadual do PSDB para pedir no TRE a suspensão das pílulas de TV do partido

Não é para menos. A ação proposta pelos tucanos, a pedido do Palácio das Esmeraldas, chama de “inverdades”, por exemplo, uma das pílulas que mostram promessas não cumpridas pelo governo, como o VLT do Eixo Anhanguera, o programa Cidadão Seguro e o trem-bala de Goiânia a Brasília. Ou seja, leitor, o governador quer obrigar você a acreditar que transita de VLT na Avenida Anhanguera, que se sente seguro andando pelas ruas e que só não vai a Brasília de trem-bala porque não quer. Falar o contrário é “inverdade”.

“Já esperávamos que o governo tentasse retirar as pílulas do ar, é o comportamento padrão de quem não admite ser questionado, mas vamos recorrer na Justiça. Só fico surpreso que eles tenham a coragem de usar o termo ‘inverdades’ para o conteúdo das pílulas. É coisa de quem vive em outro Estado, como é o caso do nosso governador”, afirma o presidente do PMDB em Goiás, deputado federal Daniel Vilela.

O TRE concedeu a liminar na terça-feira, suspendendo somente uma das quatro pílulas que estão sendo veiculadas na TV. O corregedor eleitoral do TRE, Kisleu Dias Maciel Filho, que assina a liminar, entendeu, portanto, que as cobranças não eram descabidas. A pílula retirada do ar compara o governo Marconi a um carro velho que vem sendo recauchutado no decorrer dos anos e chegou num ponto de deterioração que hoje não é mais possível mantê-lo funcionando. (Veja a pílula)

Daniel Vilela avalia, no entanto, que o esforço do governo tem pouco efeito prático, já que a própria população tem se mobilizado para cobrar a administração estadual, como está muito visível nas redes sociais. “O governo de Goiás briga com a realidade e quer decretar que somos todos obrigados a achar a gestão maravilhosa, que a crise na segurança é intriga da oposição e os buracos nas estradas são miragens provocadas pelo calor”, ironiza Vilela.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

MAIS NOTÍCIAS