01/12/2016

Senado precisa atender anseios da população e evitar queda de braço entre poderes, diz Caiado em debate com Moro e Mendes

O líder do Democratas no Senado Federal Ronaldo Caiado (GO) pediu serenidade à Casa para debater o projeto de lei contra a corrupção recentemente aprovado na Câmara
Em audiência pública com o ministro Gilmar Mendes e o juiz federal Sérgio Moro, nesta quinta-feira (01/12), Caiado alertou para o clima de "queda de braços" entre os poderes.

"O papel do Senado neste momento é de ser uma casa revisora e de moderação. Precisamos de serenidade e humildade diante de um clima de revolta total da população para apresentar uma resposta em sintonia com o sentimento da sociedade e que traga de volta a harmonia entre os poderes. Não podemos produzir nada nessa Casa que continue estimulando essa queda de braços", defendeu.

O senador também defendeu um debate profundo nas comissões buscando a opinião de especialistas e da academia sobre o assunto e não se privando do dever de analisar item por item da proposta. "É preciso explicar à sociedade que a postura a ser adotada vai ser de coragem e de humildade para ouvir a academia, os especialistas, a todos. É dever do Senado neste momento garantir as liberdades democráticas desse país sem ouvir imposição de quem quer que seja. Os poderes são independentes, mas são interligados", defendeu.

"Paciente grave"
Ronaldo Caiado fez uma analogia à sua função de médico cirurgião para demonstrar que o debate sobre o projeto está contaminado por um clima de intolerância diante de todos os escândalos que aconteceram no Estado nos últimos anos. 

"Um antigo professor da área médica me lembrava que fazer cirurgia no papel era muito fácil. Difícil era encarar a realidade de um paciente grave. Este é o momento do Brasil. Em condições normais, esse debate ocorreria de forma normal no Congresso. Mas estamos com a sociedade à flor da pele. É inadmissível que o Senado se abstenha da responsabilidade que tem nesse momento por conta da polarização atual entre os poderes", defendeu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MAIS NOTÍCIAS