19/01/2017

Veja 10 feitos que marcaram a gestão Obama

Enquanto Barack Obama se prepara para deixar a Casa Branca, no dia 20 de janeiro, segue uma lista com dez motivos pelos quais será lembrado na Presidência

Resultado de imagem para obama
Se os historiadores tivessem que escrever apenas uma coisa sobre Barack Hussein Obama, destacariam que, 143 anos após a abolição da escravidão, o jovem senador de Illinois se transformou no primeiro presidente negro dos Estados Unidos.

Com 47 anos recém comemorados quando assumiu, em 2009, Obama aproveitou-se da oratória magistral para fazer uma coalizão eleitoral diversa, com uma mensagem de "esperança e mudança".

Depois de assumir, tentou transformar a poesia em prosa de governo.

O primeiro mandato de Obama foi marcado pela queda livre da economia.

A crise imobiliária de 2008 provocou uma crise financeira e sacudiu bancos e líderes de Wall Street. A metástase gerou uma crise de proporções globais.

O ex-presidente George W. Bush e o Federal Reserve (Fed, banco central americano) tinham feito os primeiros esforços de contenção, mas Obama enfrentou a oposição ideológica com grande estímulo fiscal, aumentando o gasto público em 831 bilhões de dólares.

Agora que deixa o governo, as consequências sociais e políticas daquele choque ainda são sentidas, mas a economia gerou empregos nos 75 meses seguintes.

"Esta noite posso anunciar ao povo americano e ao mundo que os Estados Unidos realizaram uma operação que resultou na morte de Osama bin Laden".

Com estas palavras, no dia 2 de maio de 2011, Obama expurgou a ira e a frustração de milhões de americanos. O país mais poderoso do mundo finalmente conseguia punir o autor dos ataques de 11 de setembro de 2001.

A arriscada operação das forças especiais também foi ilustrativa para a polêmica estratégia de ataques com drones, na luta contra o terrorismo.

A Al Qaeda continua poderosa, mas as cúpulas no Afeganistão e no Paquistão foram dizimadas.

"É um dos poucos arrependimentos da minha gestão, que o rancor e a suspeita entre os partidos tenham piorado ao invés de melhorar", disse Obama no último discurso sobre o Estado de União.

Desde que Obama foi eleito, os republicanos no Congresso se opuseram ao presidente com unhas, dentes e votos.

Os esforços para fechar a prisão de Guantánamo e promulgar o controle de armas - inclusive após o massacre de estudantes na escola Sandy Hook, o ponto emotivo mais baixo de sua Presidência - fracassaram, devido ao rancor partidário.

Durante mais de duas décadas, os Estados Unidos aplicaram sanções e ações sigilosas para impedir que o Irã tivesse uma arma nuclear. Obama tentou uma abordagem diferente, iniciando um diálogo secreto com a República Islâmica.

A manobra resultou em um acordo que fez com que o Irã parasse a iniciativa para ter armas nucleares, em troca do alívio das sanções e maior legitimidade internacional.

O pacto enfraqueceu as relações dos Estados Unidos com os inimigos do Irã, Israel e Arábia Saudita, mas impediu o avanço armamentista no Oriente Médio e desativou as tensões entre Washington e Teerã, que perduravam desde a revolução islâmica de 1979.

Nenhuma crise internacional colocou à prova a política externa de Obama como a da Síria.

Mesmo quando Bashar al Assad desafiou a linha vermelha de Obama sobre as armas químicas e matou um número incontável de civis, com o apoio das forças russas e iranianas, o presidente que chegou ao poder com a promessa da anti-guerra negou os chamados para se envolver.

Os críticos ainda vão debater muito tempo para analisar se a política de Obama foi apropriada e até que ponto essa decisão atrapalhou a reputação americana, com o crescimento do grupo extremista Estado Islâmico, e incentivou a migração para a instável Europa, permitindo a Rússia e o Irã aumentarem a influência na região.

Depois do ceticismo climático de Bush, os oito anos de Obama no poder terminaram com um maremoto de legislação ambientalista, proteção marinha e dos ecossistemas, contenção das emissões de carbono e o relançamento das energias renováveis.

Em uma tentativa de incluir o ambientalismo na política americana, Obama escalou geleiras no Alasca, mergulhou na ilha de Midway e acelerou a ratificação do Acordo Climático de Paris.

A agenda ambientalista tem o risco de ser deixada de lado, frente aos ataques constantes de seu sucessor, Donald Trump.

Os democratas tentaram, e fracassaram, durante décadas em fornecer um plano de saúde universal aos americanos. Obama não conseguiu alcançar a meta, mas estendeu a cobertura médica a milhões de cidadãos que antes não tinham nada.

Os republicanos criticaram o "Obamacare" como a encarnação do socialismo. Mas não conseguiram evitar que o projeto fosse aprovado no Congresso. Ainda assim, podem conseguir que o programa seja revogado com a gestão Trump.

A viagem de Obama a Cuba será lembrada da mesma forma que a visita de Richard Nixon à China. No fundo, a missão americana na ilha comunista foi o movimento inicial de um esforço maior para melhorar as relações com a América Latina.

Quase 100 dias depois da chegada ao poder, Obama disse aos líderes regionais na Cúpula das Américas que os Estados Unidos tinham mudado. A estratégia era negar qualquer tipo de pretexto para presidentes, como Hugo Chávez, criarem um espetáculo anti-Estados Unidos.

Ele apertou a mão do venezuelano Hugo Chávez, reuniu-se com o nicaraguense Daniel Ortega e visitou a tumba do arcebispo de El Salvador Oscar Arnulfo Romero, assassinado por esquadrões da morte vinculados com os EUA.

Obama mencionou erros no golpe que levou o ditador Augusto Pinochet ao poder, no Chile, publicou documentos sobre a participação de Washington na guerra suja da Argentina e visitou Havana.

A reeleição em 2012 se apoiou na promessa de uma ampla reforma no sistema migratório para regularizar a situação de cerca de 11 milhões de pessoas em situação ilegal.

O Senado chegou a aprovar uma complexa lei migratória, mas o projeto ficou parado e sem esperanças na Câmara de Representantes, controlada pelo Partido Republicano na época.

Obama tentou cumprir a promessa, assinando decretos de alívio migratório, que poderiam beneficiar a 4 milhões de imigrantes. Mas o projeto também foi bloqueado, desta vez na Justiça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MAIS NOTÍCIAS