Metroviários do DF confirmam greve a partir de 1º de junho

maio 19, 2015 0 Por mediai
A confirmação veio após o SindMetro-DF não ser atendido por nenhum deputado na Câmara. Em protesto, no incío desta noite, os trabalhadores chegaram a bloquear algumas faixas do Eixo Monumental

Após não obterem resultados com a manifestação na Câmara Legislativa, na tarde desta terça (19), os metroviários do Distrito Federal decidiram entrar em greve a partir de 1º de junho. A categoria é a favor da convocação dos concursados aprovados no certame 2013/2014 por parte da Companhia do Metropolitano (Metrô-DF), pois diz que o efetivo atual não é suficiente para prestar serviço de qualidade. O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários do Distrito Federal (SindMetro-DF) se reúne no próximo dia 31.
No último domingo (17), segundo o SindMetro-DF, foi deliberada, em Assembleia Geral Extraórdinária, “a necessidade e oportunidade de exercer o direito de greve, para efetuar a suspensão coletiva e pacífica das atividades laborais”. Já na tarde desta terça (19), a categoria se manisfestou na Câmara Legistlativa do DF para exigir dos deputados a derrubada do veto à PL 2035. Ainda de acordo com o SindMetro-DF, o projeto de lei poderá garantir mais verba para contratação dos aprovados em concurso.
Em protesto, no incío desta noite, os trabalhadores chegaram a bloquear quatro faixas do Eixo Monumental. A Polícia Militar acompanhou a ação e aproximadamente 100 aprovados em concurso estavam no local, além dos trabalhadores e do SindMetro-DF. A comissão dos aprovados afirmou que havia como sancionar a derrubada do veto, pois, para isso, são necessários 13 deputados e, no início da manifestação, havia cerca de 15. “O governo diminuiu o quórum como manobra para inviabilizar a votação da derrubada”, declarou a comissão. O Governo de Brasília negou a versão.
Sem resposta
De acordo com Julio Cesar Oliveira, diretor de assuntos jurídicos do SindMetro-DF, nenhum deputado atendeu os manifestantes que se pronunciaram na Câmara. “Nem o governo ou o lesgislativo se mobilizaram com o nosso protesto. Por isso, vamos efetivamente entrar em greve a partir de 1º de junho, por tempo indeterminado”, revelou ele. Julio acrescentou que no dia 31 ainda haverá uma reunião para organizar e ratificar a greve. “Queremos um Metrô descente para, assim, podermos prestar um serviço de qualidade”, declarou.
Em nota, o Metrô-DF informou que tem se empenhado junto ao Comitê de Governança do DF para viabilizar as contratações dos aprovados no concurso público realizado em 2013, para 232 vagas e cadastro reserva. Segundo a Companhia, a dificuldade é que “o limite prudencial definido pela Lei de Responsabilidade Fiscal impede que órgãos da administração direta e indireta dependentes de recursos do Tesouro do DF, que é o caso do Metrô-DF, por ser deficitário, façam novas contratações”, explicou.